Lixo, dinheiro… e mobilidade

Raminho - Ilha Terceira - Açores - PedalAçoresQuando saimos de casa era impossível pensar naquilo que estava por acontecer.

No caminho ainda nos questionamos sobre a utilidade de ir a um debate(4) sobre um assunto que já nos parecia mais do que resolvido: a construção de uma incineradora na ilha Terceira.

Parte integrante de um grande plano regional, a central de valorização de resíduos da ilha Terceira iria receber o lixo de outras ilhas para ser tratado e toda esta logística relacionada com a “mobilidade do lixo” me chamou a atenção. O projecto tem por objetivo o reordenamento do aterro da ilha Terceira e valorização do resíduo de 7 ilhas(1) e está estimado em ±31.000.000 Euros.

Acima de tudo estávamos curiosos, independente da cor política que estava a organizar o debate, queriamos saber mais, conhecer e ententer as justificativas que levaram a TerAmb (empresa pública que vai gerir o projecto) a optar por esta solução.

O debate começou bem. Paulo Monjardino, representante da TerAmb, apresentou dados que até então eram desconhecidos e que nunca antes haviam sido publicados, demonstrando números mais próximos da realidade no que toca a quantidade de resíduos disponíveis para serem eventualmente aproveitados. Todos ficaram surpresos com os “novos” números. Continuar a ler

O Pedal’Açores em números (P.2)

Pilar - Ponta Delgada - PedalaçoresDepois de terminada a primeira edição do Pedal’Açores ficam aqui os números mais curiosos da nossa grande aventura a passar por paisagens maravilhosas, pessoas interessantes e carregada de momentos de muita reflexão sobre a mobilidade no nosso maravilhoso arquipélago no meio do Atlântico.

Neste momento estamos a compilar informação e em breve prometemos publicar aqui no nosso blog algumas reflexões mais profundas sobre a questão da mobilidade nos Açores.

Como sabem não foi possível ir ao Corvo porque não era garantido poder voltar, havia muitos passageiros na viagem de volta, de maneira que não era garantido espaço para a bicicleta (?!?!) na viagem de regresso. Por isso este ano foram “só” oito ilhas, entretanto, na próxima edição do Pedal’Açores vai ser diferente.

Ficam aqui os números do Pedal’Açores 2013:

8 ilhas;

1.110 quilómetros percorridos de bicicleta;

84 horas e 22 minutos de pedaladas;

12 parques de campismo;

6 casas de amigos para pernoitar e pôr a conversa em dia;

888 milhas náuticas;

24.801 metros de ascenção a pedalar;

31 dias na estrada a pedalar;

1.263 metros de ascenção a caminhar;

11 turistas a conhecer os Açores a pedalar;

10 nacionalidades;

4 barcos diferentes;

4 calços de travões;

1 pneu furado;

2 raios partidos;

1 visita ao Bike Doctor;

2 viagens de camioneta;

3 festivais;

1 mosca engolida;

4 entrevistas;

Muitos pacotinhos de massa instantânea e barrinhas energéticas;

Vários litros d’água;

Centenas de golfinhos;

Dezenas de Pedalaçorian@s de todas as idades;

Muita gente feliz!

É Maré de Agosto em Santa Maria

Viagem - Santa Maria - PedalaçoresEm meio a tanta coisa e tantos preparativos passou-me completamente ao lado a data do Festival Maré de Agosto em Santa Maria, mas sem dúvida que foi uma surpresa agradável.

A começar pela viagem da Terceira para Santa Maria, tudo tem sido diferente nesta etapa do Pedal’Açores. O barco estava cheio e animadíssimo graças ao pessoal jovem, e não só, que estava a caminho do festival.

No início da viagem, durante o embarque estive a conversa com o Nikos, marinheiro há 20 anos e que diz não trocar a vida do barco por nada. Conheceu e vai conhecendo quase o mundo todo graças a sua profissão. Depois de me ajudar a fixar a bicicleta falamos um bocado e subi para procurar lugar.

Santa Maria - Açores - PedalaçoresCom animação mesmo na mesa ao lado, com direito a viola e tudo mais, fui mais uma vez surpreendido ao para em Ponta Delgada – São Miguel – pois encontrei-me novamente com a equipa da campanha “Antes de me discriminares, conhece-me!“. Já haviamos nos encontrado em São Jorge, na festa dos Rosais e agora novamente e a conversa fez a viagem passar mais rapidamente. Encontros.

Ainda tive direito a uma bebida oferecida pelo Nikos quando nos encontramos ao pé do bar. Generosidade.

O barco chegou na hora prevista e eram nove da noite quando atracamos na Vila do Porto em Santa Maria. Depois do alvoroço do cais fui a procura do meu pouso, que desta vez vai ser diferente porque estou a contar mais uma vez com a generosidade de pessoas que já não via há muito tempo mas que parecem não terem se esquecido de mim. Obrigado especial pra Márcia, pra Laurinda e pro Universo que nos reuniu mais uma vez.

Tudo isso aconteceu ontem… 🙂

Hoje acordei cedo e cheio de vontade de explorar a ilha mas as nuvens estiveram a cair sobre a ilha e infelizmente não foi dos melhores dias para viajar mas mesmo assim paisagens maravilhosas revelaram-se.

Santa Maria é mesmo diferente e por vezes parecia não estar nos Açores de tão grande esta diferença. Ainda não pude explorar mais recantos desta ilha mas tenho a certeza que mais surpresas nos aguardam.

Colombo - Santa Maria - PedalaçoresA surpresa de hoje foi ver uma estátua de Colombo em Santa Maria e descobrir que ele desembarcou aqui na sua volta do descobrimento do Novo Mundo para cumprir uma promessa que havia feito quando do desaparecimento de uma das caravelas da expedição que voltou a reaparecer depois dele ter feito a tal promessa.

Desta maneira, aquela que deve ser uma das igrejas mais antigas dos Açores, já celebrou uma missa na presença de Colombo. Mais surpreendente do que isso foi saber que o Padre António Vieira foi salvo graças a Ilha Graciosa quando a expedição em que seguia foi atingida por uma tempestade e naufragou perto da Graciosa depois de passar pela ilha do Corvo. Só mesmo nos Açores…