Carta aos condutores

Hoje um post diferente, transcrito de um vídeo que alerta para o nosso comportamento nas ruas. Só tive o trabalho de traduzir 🙂

Queridos condutores/as,

Sou um pai, uma mãe, um filho, sou um ciclista…

Durante muito tempo, pedalar tem colaborado para o meu bem estar físico, e tem me ajudado de maneira simples a me livrar das pressões e do stress que o dia-a-dia pode trazer.

Gosto de andar de bicicleta por vários motivos: porque é saudável, porque gosto de comtemplar a bela paisagem do lugar em que vivo e simplesmente por que gosto do pedalar por si só. Adoro sentir o vento no rosto, o sol a bater-me nas costas, as coisas acontecendo a minha volta e tenho satisfação por poder sentir estas coisas enquanto pedalo.

Caro motorista, eu não sou um ciclista, mas sim um marido. Tenho uma esposa que também adora andar de bicicleta, e um dia o meu coração quase parou quando ela me contou que quase foi atropelada por um carro.

Eu sei que os ciclistas parecem atrapalhar às vezes. Podemos estar a ocupar a sua via e forçá-lo a diminuir a velocidade ou a ter que esperar para virar numa esquina. Até eu ter a minha própria bicicleta eu também me irritava facilmente com os ciclistas que me impediam de andar mais rapidamente. Continuar a ler

O Pedal’Açores em números (P.2)

Pilar - Ponta Delgada - PedalaçoresDepois de terminada a primeira edição do Pedal’Açores ficam aqui os números mais curiosos da nossa grande aventura a passar por paisagens maravilhosas, pessoas interessantes e carregada de momentos de muita reflexão sobre a mobilidade no nosso maravilhoso arquipélago no meio do Atlântico.

Neste momento estamos a compilar informação e em breve prometemos publicar aqui no nosso blog algumas reflexões mais profundas sobre a questão da mobilidade nos Açores.

Como sabem não foi possível ir ao Corvo porque não era garantido poder voltar, havia muitos passageiros na viagem de volta, de maneira que não era garantido espaço para a bicicleta (?!?!) na viagem de regresso. Por isso este ano foram “só” oito ilhas, entretanto, na próxima edição do Pedal’Açores vai ser diferente.

Ficam aqui os números do Pedal’Açores 2013:

8 ilhas;

1.110 quilómetros percorridos de bicicleta;

84 horas e 22 minutos de pedaladas;

12 parques de campismo;

6 casas de amigos para pernoitar e pôr a conversa em dia;

888 milhas náuticas;

24.801 metros de ascenção a pedalar;

31 dias na estrada a pedalar;

1.263 metros de ascenção a caminhar;

11 turistas a conhecer os Açores a pedalar;

10 nacionalidades;

4 barcos diferentes;

4 calços de travões;

1 pneu furado;

2 raios partidos;

1 visita ao Bike Doctor;

2 viagens de camioneta;

3 festivais;

1 mosca engolida;

4 entrevistas;

Muitos pacotinhos de massa instantânea e barrinhas energéticas;

Vários litros d’água;

Centenas de golfinhos;

Dezenas de Pedalaçorian@s de todas as idades;

Muita gente feliz!